CiberSegurança

Conheça recurso que pode proteger arquivos contra vírus de resgate ‘Pastas Protegidas do Windows’

Pastas podem ser configuradas para bloquear alterações feitas por programas desconhecidos.

A prevenção é de longe a melhor receita para evitar problemas com vírus de resgate.

Depois que uma dessas pragas contamina o computador e criptografa os arquivos, a recuperação dos dados vai quase sempre depender de um pouco de sorte. Se você não tinha uma cópia de segurança (um “backup”) dos arquivos, a situação pode ser bastante complicada.

Se você não puder enviar seus arquivos para um serviço em nuvem, nem fazer uma cópia deles para outro disco rígido – ou ainda queira algum tipo de proteção adicional –, o Windows 10 tem um recurso chamado de Pastas Protegidas ou Pastas Controladas, que “trava” determinadas pastas e impede que programas não autorizados façam modificações.

Em uma contaminação por vírus de resgate, o recurso pode impedir que o vírus criptografe os arquivos da pasta, protegendo os seus arquivos.

Além disso, como você recebe uma notificação sobre o bloqueio, o recurso também pode acabar alertando você da presença do vírus resgate.

Para garantir a eficácia do Pastas Protegidas, o Windows 10 deve estar com todas as atualizações instaladas. O recurso foi adicionado ao sistema na atualização dos criadores de outono (1709), de 2017.

Recurso exige alguns cuidados

A função Pastas Protegidas bloqueia modificações em todas as pastas de “Biblioteca” do Windows. Pastas como Imagens, Documentos e Música, portanto, ficam restritas, e não é possível excluí-las da proteção. Ela não é ativada “de fábrica” pela Microsoft – e há um bom motivo para isso.

O problema é que vários programas gravam arquivos nessas pastas, principalmente em “Documentos”. O bloqueio pode gerar alertas e até perda de dados — se algo não puder ser salvo nessa pasta por um dos programas que você usa, pode ser que o programa não repita a tentativa e falhe de forma silenciosa. Isso acontece porque o software não espera ser incapaz de armazenar arquivos na pasta “Documentos”.

Certas pastas ficam livres, como a “Downloads”. Se você baixar um arquivo nessa pasta, você pode movê-lo mais tarde para qualquer outro lugar usando o Explorador de Arquivos e o Copiar e Colar (CTRL+C / CTRL+V), sem qualquer dificuldade.

Em outras palavras, até os programas que não podem alterar os arquivos na pasta Documentos ainda poderão modificar os arquivos na pasta Downloads e em outras que não estiverem na lista da proteção.

Os programas que necessitam de acesso às pastas protegidas precisam ser liberados. Felizmente, vários programas recebem autorização prévia pelo Windows. Mesmo assim, você deve prestar muita atenção nas notificações de bloqueio e autorizar os programas em que você confia para evitar que dados sejam jogados fora.

O Pastas Protegidas é um bom recurso de conveniência, principalmente para garantir que arquivos mais recentes não sejam perdidos em um possível ataque.

Ele não dispensa a realização de backups, porque não é capaz de proteger os dados contra falhas no dispositivo de armazenamento ou outros acidentes.

Como ativar o ‘Pastas Protegidas’

Para garantir a eficácia do Pastas Protegidas, você deve colocar o Controle de Conta de Usuário em nível máximo. No menu iniciar, digite “Controle de Conta de Usuário” (ou simplesmente UAC) e aperte a tecla Enter. Na janela que aparece, coloque a barra deslizante no seu ponto mais alto (“Sempre notificar”) e clique em OK.

Configure o Controle de Conta de Usuário. — Foto: Reprodução
Configure o Controle de Conta de Usuário. — Foto: Reprodução

Depois, abra o menu Iniciar e digite “Pastas Protegidas”. O “Pastas Protegidas” vai aparecer e você poderá acessá-lo. Quando a janela abrir, você verá o “Acesso a pastas controladas” (“Pastas controladas” e “Pastas protegidas” são termos diferentes para a mesma função). É só ativar o recurso.

Método alternativo: você também pode clicar no “escudo” do Windows Defender próximo ao relógio do Windows (pode ser necessário clicar na seta para cima para abrir o grupo de ícones ocultos). Clique em “Proteção contra vírus e ameaças” e depois role até o final da janela, onde consta a “Proteção contra ransomware”. Clique em “Gerenciar proteção contra ransomware” para abrir a janela principal do Pastas Protegidas.

Permitindo um programa bloqueado

Se um programa for impedido de realizar alterações em uma das pastas controladas, uma notificação vai aparecer. Clique no aviso e você poderá liberar o acesso do programa às pastas controladas.

Caso você já tenha dispensado a notificação, é possível acessar a janela principal do Pastas Protegidas usando uma das formas explicadas acima (menu iniciar ou ícone do escudo perto do relógio) e depois clicar em “Histórico de bloqueio” para ter acesso a todas as atividades que sofreram restrição.

Notificação do Pastas Controladas quando uma alteração de arquivos é bloqueada. — Foto: Reprodução
Notificação do Pastas Controladas quando uma alteração de arquivos é bloqueada. — Foto: Reprodução

Na tela em que consta o histórico de bloqueio, clique na ação que você deseja autorizar. Confira se o programa mencionado está correto, clique no botão “Ações” e, em seguida, “Permitir no dispositivo”.

Antes de liberar um programa, avalie se você não pode realizar as atividades desse programa em outras pastas, fora daquelas que estão restritas. Quanto mais programas você liberar, mais brechas podem existir para que um vírus de resgate burle o bloqueio.

Protegendo outras pastas

Se você quiser proteger outras pastas, você pode clicar em “Pastas protegidas” e em “Adicionar uma pasta protegida”. Selecione a pasta e confirme.

Isso é especialmente útil para proteger unidades externas que você deixa conectado ao computador, como discos rígidos e pen drives.

O que acontece se um vírus de resgate atacar?

O Pastas Protegidas não vai impedir o vírus de resgate de funcionar, caso alguma praga desse tipo contamine o seu computador. O vírus ainda vai exibir a mensagem de ameaça e pedir dinheiro para liberar seus arquivos. Em alguns casos, o vírus pode travar completamente o computador e impedir o uso do sistema.

A única diferença é que os arquivos nas pastas protegidas não devem ser modificados. Eles vão ficar fora do alcance do vírus e poderão ser recuperados.

Após eliminar o vírus, você deve fazer uma cópia dos arquivos e reinstalar o sistema para garantir que seu computador possa ser usado com segurança novamente.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo